Paulo Roberto!

Preciso aprender que você não esta aqui,
Que não tenho seu abraço,
Ou seu sorriso,
Que seu beijo não é meu. Beijas que lábios além dos lábios meus?
Atentamente adentro o mundo, procurando quem sabe onde,
Talvez nos cantos mais profundos,
Onde estais?
Canso e paro, paro e pereço, então prossigo.
Onde terminará essa busca?
Sinto falta dos seus olhos,
Sinto falta da sua presença, dela aqui, aqui bem perto de mim.
Procurei ontem, estavas bem perto,
Eu sentia o seu perfume, meu alento,
Satisfeito e ansioso, eu me fiz forte,
Fiz-me sonho, armei castelos e fiz muralhas,
E ainda assim não consegui,
Seus passos se distanciavam,
Oh amor, onde escondes a minha amada?
Antes de cada passo, uma oração, uma prece que anime meu coração.
Seus lábios um vinho doce, um veneno, um... Uma brasa!
Seu corpo tem as linhas que preciso, pra compor meus caminhos,

minha vida meu... Paraíso!
Ainda assim está você ai quieta, ainda longe de mim,
Eu, sozinho procurando você que, sabe-se lá quem andas a procurar.
Seu corpo a quem pertencerá?
Tenho medo de te encontrar, anseio por ter, e quem sabe, eu não possa.
Quem sabe talvez eu busque a vida inteira e não encontre a minha vez?
Quem sabe eu já tenha encontrado e ainda não pude reparar?
Quem sabe eu fui o objetivo de alguém?
Hoje ainda me vejo preso,
A um caminho que me leva a não sei quem,
Que me faz falta, me magoa, me machuca, me dói e me faz feliz,
E ainda assim eu não consegui encontrar.
Vejo a chuva cair pela vidraça da janela,
E parado ali eu penso, será que essas águas ela ver cair da sacada dela, da janela, do seu apartamento, da sua casa, do seu rancho, da casa rosa ao lado da casa azul que fica em frente a minha?
Será que essa chuva molha agora o corpo dela, que na chuva corre com a correntinha de sua cachorrinha que molhada corre pra se abrigar.
Seus olhos será que choram lágrimas como essas gotas agora?
Ou será que seu sorriso impreciso, dança comigo em pensamento, num sono gostoso, ao som dessa chuva nesse momento?
Ai que dor, que dor eu sinto!
Olhei pras paredes brancas do meu quarto e comecei a imaginar, ela a dançar,
Será que dança bem?
Será que canta? Que talento será que tem?
Talvez eu encontre de surpresa na canção que eu fizer pra não sei quem!
Escondida em um biscoitinho da sorte comprimida ali ela me vem.
Em um esbarrão idiota, com palavras grossas um cumprimento, será que ali com materiais esparramados no vagão daquele trem?
Na festa que eu deixei de ir, e nas ruas a caminhar, eu posso ver você, passeado entediada, com olhos fitando os ladrilhos da calçada, será que vamos conversar?
Talvez em um aperto de mão, talvez antes eu chegue a odiar você e odiando eu perceba que começo a te amar.
Quem sabe? Se atreva a me dizer eu pago bem, talvez quem me pague seja você!


Lendo um livro num banco da praça, curiosidade, graça, conversa e beijo, desejo, e amor?
A não sei se tão fácil se tão difícil mais ainda sinto dor!
Como eu quero gritar, cartazes e faixas. Será que vão adiantar?
Outdoors e placas, propagadas e comerciais, serão úteis pra te procurar?
Um singelo telefonema pra um número qualquer. Atende aquela voz de mulher, seria ela você?!
Naquela tarde quente, no carro de repente, um acidente, eu paro preocupado apressado, vitimas inocentes entre elas você?
Será no obituário, seu nome ali gravado às doze e quinze da noite, será que foi ali você?
Um crime armado, seu sabor de pecado, um balaço em mim atravessado, será que foi você?
Tantos modos de se achar quem se ama. Escondida ali em baixo da cama de um hospital pra escapar. Um supermercado, um barzinho, uma pracinha, um bom lugar, uma dança. Uma criança que acaba de nascer e de você. Quem sabe uma longa trança a frente, um elogio, e depois um presente, você. Uma loja de jóias, uma atendente linda, uma expressão, uma dor, uma pergunta, uma ajuda, um carinho, um afeto, e um amor?
Qual de nós vai reconhecer primeiro? Quem será o derradeiro? Será que vai me amar?
Eu não sei, mas ainda não paro de procurar, que seja como for, que seja amor, que seja... Dor!
Mas...
Espera por mim meu amor!


Marcadores: | edit post
13 Responses
  1. Thays Says:

    O melhor de Todos!
    Absolutamente lindo!

    Beijos,My Solfiere.


  2. Juliana Lira Says:

    Anjo

    Anjo malvado, não escreva mais coisas avassaladoras assim, se não juro que pego o primeiro avião pra Minas! rsrsrs


  3. Juliana Lira Says:

    Já achou estou bem aqui...

    kkkkkk




  4. Rosani Nauar Says:

    Olá! Paulo Roberto

    Bem, eu nas minhas andanças pelos blogs, encontrei o seu, e fiquei encantada com os textos de tamanha reflexão, são sementes lançadas.
    Parabéns, com certeza voltarei mais vezes aqui

    beijos


  5. Arco Iris Says:

    Sei lá jovem poeta ...
    Parece que escreve o que
    queria ouvir de uma outra pessoa
    e que já ouvi um dia deistante.
    Sem duvida me faz lembrar ele sim.

    Amo a escrita Parabéns !


  6. Amei esta declaração de amor em forma de poema. Parabéns.
    Um grande araço


  7. Seu blog é especial e me deixa sempre com um sorriso ou uma lágrima de emoção!

    Beijos ternos.


  8. Seu blog é especial e me deixa sempre com um sorriso ou uma lágrima de emoção!

    Beijos ternos.


  9. G. Says:

    Bonito, simplesmente assim.

    Até,
    G.

    http://sobre-mascaras.blogspot.com/


  10. Angelus Says:

    Amei o conteudo de seu blog
    és simplesmente maravilhoso
    excelente, fazia muito tempo
    que não lia coisa tão maravilhosas
    não tem como não seguir e listar o seu blog

    Meus parabéns


  11. Linda escrita!
    E seu blog é simplesmente encantador!
    Vou te seguir!
    Beijinhos de luz!


Postar um comentário

Espero que tenham gostado...

Related Posts with Thumbnails
BlogBlogs.Com.Br